Campo Grande (MS), Sexta-feira, 19 de Agosto de 2022

POLICIAL

Cunhado de funcionária que matou pecuarista em condomínio de luxo é preso em Dourados

Pedro Ben-Hur foi preso por volta das 14h de hoje na região de Dourados

01/08/2022

14:45

CAMPOGRANDENEWS

Ana Paula Chuva e Helio de Freiras

©REPRODUÇÃO

Foi preso nesta segunda-feira (1°), em Dourados, Pedro Ben-Hur Ciardulo, de 21 anos. Ele era procurado como principal suspeito do assassinato da pecuarista Andreia Aquino Flores, 38 anos, ocorrido na última quinta-feira (27), em Campo Grande. O rapaz fo encontrado na comunidade Ouro Fino, que fica entre Dourados e Caarapó.

Por volta das 14h, equipe do SIG (Setor de Investigações Gerais), encontrou Ben-Hur em uma casa de recuperação na região. Quando os policiais chegaram ao local, ele começou a chorar e falar palavras desconexas. Policias da Derf (Delegacia Especializada no Combate a Roubos e Furtos) de Campo Grande devem chegar ainda nesta tarde a Dourados para ouvir o suspeito.

O rapaz é cunhado de Lucimara Rosa Neves, de 43 anos, espécie de governanta da casa de Andreia e que, junto com a filha Jéssica Neves Antunes, de 24 anos, confessou ter tramado assalto que acabou provocando a morte de Andreia. Ela deu detalhes de como o crime foi planejado e executado na casa da pecuarista, em condomínio, no Bairro Chácara Cachoeira, em Campo Grande.

As duas mulheres foram presas em flagrante no mesmo dia do crime, mas Pedro estava foragido. Ele foi apontado como o responsável por matar a pecuarista, asfixiada.

O plano

A ideia de simular o roubo surgiu há 15 dias, explicou Lucimara, quando a irmã de Andreia lhe propôs pagamento de R$ 50 mil para que convencesse a patroa a assinar um documento, “usando os meios que quisesse”. As irmãs tinham uma briga relacionada a cabeças de gado.

Segundo a governanta, a irmã da patroa, contudo, não sabia detalhes do plano. A intenção, alega Lucimara, era lucrar algum dinheiro com o assalto e depois, fazer Andreia acreditar que a irmã havia enviado o criminoso como uma ameaça de morte.

Cronologia

Lucimara conta que chegou à casa da patroa, em condomínio luxuoso por volta das 6h40. Narrou à polícia que encontrou Andreia ainda acordada, fazendo uso de bebidas alcoólicas. Jéssica afirma que chegou às 7h.

As duas trabalharam normalmente. Ela disse que limpou a casa, recolheu garrafas de bebida, lavou a calçada, passou roupas e depois disso, chamou sua filha Jessica para ir às compras, em atacadista na Rua Marquês de Lavradio.

A nota fiscal do supermercado mostra que as duas terminaram de passar os produtos no caixa, às 10h16. Pelos itens, as empregadas desembolsaram R$ 786,69 pagos no cartão de uma delas depois que a patroa havia feito Pix de R$ 1 mil. Conforme o plano, foi no estacionamento que Pedro se juntou às duas.

Do mercado, o trio passou em loja de utilidades, na Avenida Ministro José Arinos, para comprar a arma de brinquedo que seria usada na encenação. Depois, passaram em um posto de combustíveis para comprar cigarros e seguiram para o condomínio.

Na casa de Andreia, segundo as duas depoentes, primeiro entraram Pedro e Jéssica, fingindo estar refém. Ainda de acordo com os depoimentos, a vítima resistiu à investida do assaltante para amordaçá-la. Ela se debatia e ele apertava um pano contra o rosto dela, até que Andreia desfaleceu.

Só depois, o corpo de Andreia foi levado para o andar de cima da casa. Lucimara relatou que jogou água na tentativa de acordar a patroa, mas foi em vão. Ela levou o assassino até a casa dele, no Tiradentes, voltou para a residência da patroa e junto com a filha, pediu ajuda a um vizinho.


Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Últimas Notícias

Veja Mais

Envie Sua Notícia

Envie pelo site

Envie pelo Whatsapp

Jornal do Estado MS © 2021 Todos os direitos reservados.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO, transmissão e redistribuição sem autorização expressa.

Site desenvolvido por: